Este website utiliza cookies de forma a garantir uma melhor navegação no nosso site.
Ao continuar a navegar no site, está a concordar com a utilização de cookies. Para mais informação, clique aqui

Weber - Saint-Gobain

Renovar paredes antigas que apresentam ascenção de sais solúveis (salitres)

Problema

As paredes antigas estão sujeitas com frequência à humidade ascendente a partir dos terrenos (por ausência de corte capilar), que muitas vezes arrasta consigo sais dissolvidos que se depositam sob a forma de cristais no interior dos revestimentos após a evaporação da água pelas superfícies expostas ao ar.

A expansão dos sais no processo de cristalização, o volume ocupado pelos cristais no interior dos materiais e a sua acumulação sucessiva ao longo dos anos, tendem a provocar processos de degradação dos revestimentos e mesmo dos materiais internos da parede. É por isso que se veem a observar empolamentos e descolamentos dos materiais de revestimento até uma determinada altura acima do nível do solo.

Uma das soluções possíveis para o tratamento deste fenómeno é a criação de capacidade de retenção dos sais no interior dos rebocos de revestimento, através da existência de uma rede de pequenos canais de evaporação da água ascendente e de microcâmaras de ar com volume suficientemente capaz de acumular os sais cristalizados e acomodar a sua expansão. Para conservar as vantagens indicadas, o acabamento externo escolhido deve também permitir a "respiração"da parede

Deste modo, desde que seja garantida uma espessura mínima deste reboco especial, que proporcione capacidade de acumulação, é possível ter a expectativa de conseguir controlar o fenómeno e manter assuperfícies limpas durante alguns anos. A durabilidade dependerá sempre da intensidade do processo de ascensão de água, da concentração de sais transportados, e da espessura dos revestimentos aplicados.

Solução

Eliminar o antigo revestimento até cerca de 50cm acima das marcas de salitre, procurando encontrar o suporte original. Lavar bem a superfície com uma solução ácida (1 volume de ácido muriático para 10 de água) ou ibolimpa. No caso de existirem microrganismos lavar com weber.antimousse. No final, lavar abundantemente com água limpa.

Preparar as superfícies a revestir, eliminando os materiais soltos, pouco coesos ou desagregados e lavando com jato de água de baixa pressão. Regularizar a superfície preenchendo os buracos existentes com pedaços de pedra ou tijolo e a argamassa weber.cal sane (encasque). Realizar uma camada geral de consolidação com weber.cal sane aditivado com weber.latex (mistura em água 1:5) numa espessura de cerca de 5 mm. As paredes deverão ser sempre bem molhadas antes da aplicação das argamassas de reabilitação.

Realizar a camada de reboco aplicando a argamassa de saneamento weber.cal sane numa espessura total mínima de 2 cm. Pode ser aplicada manualmente ou por projeção com máquina de mistura contínua, em camadas sucessivas com o
máximo de 3 cm por camada. Cortar a superfície da argamassa com a régua na horizontal, sem apertar, usando os elementos de controle de espessura.

Após endurecimento do reboco durante pelo menos 3 semanas, aplicar o acabamento superficial, que deve ser compatível com a necessidade de não restringir a permeabilidade à evaporação de água do interior da parede. Usar os acabamentos weber.cal decor (acabamento areado) ou weber.rev liso (acabamento liso no interior)