Este website utiliza cookies de forma a garantir uma melhor navegação no nosso site.
Ao continuar a navegar no site, está a concordar com a utilização de cookies. Para mais informação, clique aqui

Weber - Saint-Gobain

Preparar a superfície de uma alvenaria antiga para a aplicação de revestimentos de reabilitação

Problema

As paredes em edifícios antigos podem apresentar naturezas muito diversas, em função dos materiais e dos métodos construtivos utilizados.

É comum encontrar desde alvenarias de pedra mais ou menos aparelhada, a alvenarias mistas com pedra e elementos cerâmicos e/ou madeira, adobes ou taipas
e tabiques (madeira e argamassa). De um modo geral, todas estas soluções incorporam argamassas de assentamento e revestimento cujo ligante principal é a cal, normalmente com resistências e coesão limitadas.

A sua renovação poderá envolver a substituição dos revestimentos originais por outros novos, que garantam um melhor desempenho na proteção da parede,
mas sem criar problemas de compatibilidade com os suportes existentes. A demolição destes revestimentos coloca a descoberto os materiais originais constituintes da parede, resultando a maior parte das vezes em superfícies de natureza muito heterogénea e irregular.

Adicionalmente, a natureza dos processos construtivos da parede (muitas vezes resultando do empilhamento de materiais aglomerados por argamassas ordinárias),
das características dos materiais e das argamassas utilizados, fazem com que as superfícies resultantes da demolição se apresentem com grandes fragilidades ao nível da estabilidade e da coesão. Torna-se por isso necessário proceder ao seu tratamento prévio de reforço e estabilização antes da aplicação dos novos revestimentos.

Solução

As paredes cuja superfície apresentem buracos deverão ser regularizadas através do preenchimento dos mesmos. Tal é feito utilizando pequenas pedras ou cacos de tijolo, colocadas a encher os buracos, envolvidas em argamassa weber.cal chapisco, aplicando a técnica de “encasque”. As superfícies deverão ser previamente molhadas.

As superfícies que se apresentem com falta de coesão deverão ser reforçadas através da aplicação de uma camada geral do tipo chapisco utilizando a argamassa weber.cal chapisco. Esta camada será aplicada sobre suporte previamente molhado, numa espessura de 5 a 10 mm, manualmente (à colher) ou utilizando máquina de projeção de mistura contínua com fluxo de projeção aberto, em consistência relativamente fluida. A superfície deverá resultar rugosa para facilitar a aderência da camada posterior. Deixar endurecer pelo menos 3 dias.

No caso de paredes com deficiência elevada ao nível da coesão dos materiais, apresentando algum risco de desagregação, elevada heterogeneidade de materiais ou evidência de instabilidade estrutural (fissuração, etc.), deverá realizar-se um reforço
geral da superfície aplicando uma malha de aço galvanizado ou zincado fixada à parede (cerca de 1cm de afastamento) envolvida pela argamassa de reforço weber.cal chapisco.

A argamassa de reforço weber.cal chapisco pode ser aplicada manualmente ou com máquina de projeção, numa espessura que ultrapasse a malha metálica em pelo menos 1 cm, cobrindo-a totalmente. A superfície poderá ser deixada irregular (tipo chapisco) ou ser regularizada com régua, obtendo uma espécie de nova parede. Aguardar pelo menos 7 dias antes da aplicação das camadas de revestimento previstas.