Este website utiliza cookies de forma a garantir uma melhor navegação no nosso site.
Ao continuar a navegar no site, está a concordar com a utilização de cookies. Para mais informação, clique aqui

Weber - Saint-Gobain

Artigos Técnicos

A reabilitação térmica de paredes exteriores antigas

Reabilitar edifícios existentes, seja sobre que perspetiva for, reveste-se de características específicas que condicionam a abordagem. Desde logo é fundamental um conhecimento detalhado das soluções construtivas presentes e dos materiais e tecnologias que foram empregues na sua construção. Isso varia muito com a época de construção, com a zona do país onde se localiza o edifício, etc.. 


Quando o objectivo da operação de reabilitação é dotar o edifício de melhor isolamento térmico é essencial intervir na envolvente exterior. A multiplicidade de suportes que podemos encontrar e de estados de conservação dos mesmos é muito diversa: alvenarias em pedra aparelhada numa face com argamassas ordinárias, alvenarias ordinárias com argamassas ordinárias, alvenarias secas, alvenarias mistas (pedra/tijolo, alvenaria/tijolo, alvenaria/madeira, etc.), adobe ou taipa.

A avaliação da resistência, da coesão, da permeabilidade à água e ao vapor de água e a irregularidade da superfície são características a ter previamente em conta na escolha do sistema de isolamento mais adequado aos objectivos em vista.

Quando por razões várias – falta de espaço interior, preservação da inércia térmica, comodidade para os utilizadores, etc. – a escolha recai num sistema de isolamento pelo exterior, devem ser cuidadosamente analisados e estudados aspectos como a avaliação da resistência, coesão, permeabilidade à água e ao vapor de água e a irregularidade do suporte. Estas características devem ser tidas em conta na escolha do sistema de isolamento mais adequado aos objectivos em vista.

Em suportes antigos os sistemas ETICS convencionais poderão apresentar algumas limitações, quer na compatibilidade entre os materiais constituintes do suporte e as argamassas constituintes dos sistemas ETICS, como também na permeabilidade ao vapor de água destes sistemas com este tipo de suportes. Nestes casos, a opção por um sistema de reboco isolante à base de cal, sistema weber.therm mechanic, pode revelar-se a melhor escolha. 

Sistema weber.therm mechanic é uma solução de isolamento térmico mineral para fachadas, baseado na aplicação de um reboco isolante à base de cal – weber.therm aislone com elevadas propriedades de isolamento térmico, revelando-se especialmente indicado para a reabilitação de fachadas em edifícios antigos. O acabamento colorido, areado ou alisado, pode ser realizado com weber.therm naturkal – revestimento à base de cal hidratada – aplicado sobre um revestimento delgado weber.therm kal – também à base de cal - armado com rede de fibra de vidro:

Legenda:

1 - weber.therm naturak

2- weber.therm kal

3- weber.therm aislone

As características do reboco isolante weber.therm aislone são as seguintes:

Condutividade térmica (λ)0,042 W/m.ºC
Massa volúmica endurecido150 ± 50 kg/m3
Resistência a compressão≤ 2,5 MPa (CSI)
Resistência a flexão≥ 0,25 MPa
Coeficiente de permeabilidade ao vapor de águaμ ≤ 5
Absorção capilar de água≤ 0,4 kg/m2.min0,5
Reação ao fogoClasse B s1 d0

Estas propriedades tornam este sistema adequado, do ponto de vista mecânico e físico-químico, para o revestimento de paredes antigas.

O exemplo seguinte – isolamento de uma parede exterior em pedra calcária com 0,60m de espessura – permite avaliar o efeito sobre a eficiência térmica da parede da aplicação do sistema weber.therm mechanic:

 

 

A aplicação do com 3cm de espessura de reboco isolante weber.therm aislone permite melhorar o isolamento térmico da parede em quase 50%; 5cm de reboco weber.therm aislone melhoram o isolamento da parede em mais de 60%.